Na terça-feira, dia 28 de março, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), se reuniu com o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por mais de duas horas. Após o encontro, Pacheco juntou-se a Lula na crítica à alta da taxa de juros no Brasil e afirmou que é importante encontrar caminhos sustentáveis para reduzi-la o mais rápido possível.

Essa declaração aumenta a pressão política sobre o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que tem sido criticado por ter elevado a taxa básica de juros para 2,75% ao ano em março, em uma tentativa de conter a inflação no país. Lula e Pacheco também trataram da tramitação de medidas provisórias e da regulação das redes sociais e plataformas da internet, temas que serão discutidos pelo Congresso e que precisarão do apoio do governo.

Além disso, Lula renovou o convite para que Pacheco integre a comitiva presidencial que irá à China. A visita ao país asiático foi adiada, por orientação médica do petista, mas os governos brasileiro e chinês estão negociando uma nova data para o encontro.

Cabe destacar que indicações para o cargo de presidente do Banco Central precisam passar pelo Senado, e a Casa também tem que aprovar eventuais exonerações de integrantes da autoridade monetária.

Leia a íntegra da nota de Rodrigo Pacheco

Reuni-me, nesta terça-feira, por mais de duas horas, com o presidente Lula. Na conversa, tratamos da tramitação das medidas provisórias e disse ao presidente que estamos trabalhando no encaminhamento da busca de um consenso. Também ressaltei ao presidente Lula que daremos celeridade devida ao arcabouço fiscal. Dentro disso, houve o reconhecimento mútuo de que a taxa de juros no Brasil está muito alta e afirmei ao presidente a importância de encontrarmos caminhos sustentáveis para a redução da taxa o mais rápido possível. Outro ponto da conversa foi em relação à regulação das redes sociais e de plataformas da internet, tema que será discutido pelo Congresso e que precisará do apoio do governo. Por fim, o presidente Lula renovou o convite para que eu integre a comitiva que irá à China, diante de uma nova perspectiva da visita ao país asiático.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *